Thursday, 26 June 2008

Wednesday, 25 June 2008

Ana Carolina


Você me diz que eu te olho profundamente...
Desculpa, tudo que vivi foi profundamente.
Eu te ensinei quem sou e você foi me tirando os espaços entre os abraços,

Guarda-me apenas uma fresta. Eu que sempre fui livre, não importava o que os outros dissessem. Até onde posso ir para te resgatar? Reclama de mim, como se houvesse possibilidade de eu me inventar de novo. Desculpa, desculpa se te olho profundamente, rente à pele

A ponto de ver seus ancestrais nos seus traços,
A ponto de ver a estrada antes dos teus passos.
Eu não vou separar minhas vitórias dos meus fracassos!

Eu não vou renunciar a mim; nenhuma parte, nenhum pedaço do meu ser vibrante, errante, sujo, livre, quente.

Eu quero estar viva e permanecer te olhando profundamente!"
Adaptação unindo trechos das obras do poeta gaúcho Fabrício Carpinejar e dopoeta russo Boris Pasternak recitados ardentemente pela cantora Ana Carolina emseus shows

Meu mundo


Meu mundo sublinhado em cores de falsete. Em cores cinza carvao. Das neblinas, das tardes londrinas, das escadas da estacao. Meu mundo cor de blue dourado. Minha literatura, Cecilia, Clarice, Lya, Anais, Doris, Helen e Oates. Meus livros empoeirados no chao. Os poemas ganhando virgulas, e o vaso de flores secando vagarosamente. A magia, o feitico, o truque ou a fe. As cartas de tarot, a yoga, a capoeira e a meditacao. Das cartas de amor que nunca recebi. Das flores que raramente vi. Dos perfumes embalando os corpos sedentos, das paixoes. Das conversas a beira do mar, do rio, regadas a vinho. Da palavra que alcanca os esconderijos secretos e nos faz reluzir e acreditar na alegria pura de ser um ser vivo. As visceras e a raiva. A explosao impensada. O sangue quente que verte das veias. Toda a falta. Toda a ardencia.Todo o sonho querendo viver. Toda frase emocionada querendo ser livro ou poema. Sou assim, essa vontade de ir embora, e esse medo de dizer adeus. Essa mistura incompleta, meio voraz e baguncada. A nescessidade da paz e a sede de vida. Sou assim, sempre querendo fazer amigos, sempre querendo fazer amor. Nao consigo calar, quando tenho algo a dizer, mesmo que isso cause dor. Mas sei perdoar, e sei pedir perdao. Meu mundo e pequeno e vasto ao memso tempo. Sou egoista, quero tudo pra mim. Quero a felicidade voraz. Sonho sem os pes no chao, idealizo demais, e quase sempre me frusto com a realidade. Meu mundo e feito de sons, cores e palavras. Feito de uma sensibilidade palpavel e de uma explosao maior ainda. De tudo o que gosto mais e a paz do momento preenchendo tudo o que sou, quando me sinto amada e vejo a vida explodindo em todas as direcoes do meu ser. Das coisas que gosto mais na vida, e estar de bem comigo mesma, de ter amigos verdadeiros ao meu lado, e de estar com minha familia. E churrasco de domingo, cerveja gelada, caminhar sem rumo, e Tate Modern e Brick Lane. E pegar um aviao, e pular no mar, e acordar tarde. E sair pra dancar, e beijar na boca, e massagem nas costas. E tratamento 5 estrelas, e acampamento no mato. E cheirinho de casa materna, e o jardim da vo. E reencontro. Sao as voltas que a vida da. E a boa noticia. E o reconhecimento. E um abaraco sincero. E aviao pousando no Salgado Filho, e aquela vontade que da de beijar o chao. No mais sou assim, do sul. Nomade de coracao, sangue cigano que quer sempre regressar. Meu mundo e feito de ilusoes, de saudades, de vontades. Gostaria de ser atriz, para poder viver mil vidas em uma so. Sou apegada. Mas nao gosto de monotonia. Quero mudancas a todo momento- mas nao sei lidar com o que se vai. Sou corajosa. Me considero forte, muito forte, mas extremamente sensivel. Gostaria de ser poeta, ou escrever romances. Gostaria de ser fotografa ou jornalista. E uma vez pensei em ser medica. Mas nao sou nada, nenhuma profissao que me defina.

Sou sobrevivente. Sou aprendiz. Estou sempre em busca. Sou guerreira. Sou amante. Eu sou assim...
Ana Frantz

Writing of tomorow

The writing that breaks with the conventional frames of religious dogma (but unites with God), of the forms of marriage (but describes love of which marriage is one of its aspects , or expressions), that breaks with all conventions and leaves nature free, gives the great amoral creative laws of the artist, awakens in the people the self-discipline inherent and manifest in the artist, touches in each the self which by its sleep alone permitted the slave and martyr, awakened to a new psychological liberty- that is writing of tomorow.
Anais Ninn

Tuesday, 24 June 2008


Simple people lead simple lives. Complex people lead complex lives. The difference between the two has to do with one’s openness to life

Nothing Hill


Cultura descartavel


Chega a ser assustador o ritmo como a tecnologia tem tomado espaco na cultura atual. O avanco que uma decada representou na tecnologia e surpreendente. A internete cada vez mais rapida e presente em nossas vidas. De google a facebook e street map, sem internete poucos conseguem sobreviver.

Fala-se ja de uma nova rede de restaurantes u-Wink - onde os pedidos seriam todos feitos atraves de um computador na mesa do cliente, onde o mesmo poderia se enterter com jogos, palavras cruzadas, e demais artimanhas da rede, sem ter que se chatear ou se preocupar em manter uma conversa com a pessoa ao lado ou com a esposa.

Antes falava-se da televisao.Lembro la no sul, no inicio da decada de 90, o pessoal falando que as rodas de mate estavam dando lugar a novela da Globo, e assim sendo as pessoas nao conversavam mais. Seculo XXI; a televisao deu lugar a internete, e cada vez mais o contato humano vai ficando de lado. Pessoalmente acho a internete uma invencao maravilhosa, acho que o Google e o Deus da sabedoria moderna, mas acho tambem que e perda de tempo ficar mandando drinks virtuais para meus amigos no Facebook, ou gastar uma tarde inteira no Orkut. Mas como em tudo na vida; e sempre complicado manter a medida entre certo ou errado, exagero e moderacao, cultura e alienacao, vamos todos remando nessa correnteza de infromacao, tecnologia e lixo urbano.

Aliado a esse pulo tecnologico, veio tambem a cultura de que quase tudo e descartavel. Me surpreende a forma como a Europa trata telefone celular. A cada mes o mercado e inflado de novos modelos, cada vez mais "slims" e com mais atrativos, que precisam obviamente de um lugar no mercado. A demanda e grande. As companhias telefonicas oferecem planos mensais e dao o ultimo modelo de celular de graca ao cliente. Com direito ao "upgrade" de 12 a 18 meses, ou seja, em questao de um ano, bilhoes de celulares estarao sendo substituidos, deixando para o planeta uma imensa pilha de lixo.
No meu caso, a cada ano, presenteio alguem da minha familia com um celular da Samsung, que embora de segunda mao, ainda se figura em um dos mais vendidos nas prateleiras brasileiras. O Brasil, claro, por vir atras na corrida tecnologica, nao descarta tanto, concerta mais, recicla mais, e isso e um ponto positivo para nos.

O Japao, dizem por ai, e uma das piores nacoes na questao da mudanca climatica, por gastar muita energia e ser um dos pioneiros nessa questao da cultura descartavel. A media de duracao de uma casa no Japao e de 33 anos, comparada a 77 anos na Inglaterra. E o desperdicio energetico vai de chaleiras eletricas constantemente ligadas a temperatura maxima e aquecimento no assento da privada. De chopsticks reciclaveis a embalagens plasticas cada vez mais sofisticadas, Japao sera obrigado a rever certos padroes se quiser se aliar a luta contra o super aquecimento da Terra.
Em duas semanas os presidentes das nacoes mais ricas do mundo se reunirao no Hotel Windsor em Melbourne, para discutir uma vez mais o futuro do planeta.

Ana Frantz

The Times -

Los Angeles Times : " a heat wave...sent hundreds of thousends of Southern Californians to beaches this weekend and left them searching for new words to describe their misery."

It's summer, which means is hot in LA. Every year this seems to come as an unpleasent shock ...

Thursday, 19 June 2008

De Romar Beling



havia uma ponte
sob os meus pés
olhei para baixo
e eras tu
o caminho de fogo
entre o ontem
e o amanhã
suspenso no vazio
dessas terras sem paz
oliveiras sem cultivo
havia uma ponte
e tudo que ainda
pudesse ser medido
num único instante
de sublimação
restaria como convite
um trajeto
possível sempre possível
há os que não querem
caminhar
e há aqueles
para os quais
cada passo
é apenas o início
de uma nova história
a ser contada
mas havia uma ponte
e havia um horizonte
e logo a ponte
e o horizonte
eras tu

Triste


Se ja nao sou mais o que eu queria ser
Se ja nao ha mais tempo a perder
Se do tempo perdido, nada foi absorvido

Se ha so magoas
E derrotas
Se a tristeza te devora
E tua solidao e solida

Se tua paz e rara
E teu refugio ausente
Se ves sorrisos na boca de outra gente
E em ti apenas um andar descontente

Se sentes a tua morte
E descobres que tua vida foi em vao
Que teus sonhos foram tolos
E que te faltou um pouco de chao

Se ainda assim algo em ti
Implora
Que ergas teus olhos aos ceus
Em oracao
Te entrega com os bracos estendidos
Aceita as pedras, as chagas, o manto
Aceita as asas, a coroa, e os ramos


Ana Frantz

Friday, 13 June 2008

Carta de amor

Querido,

Tenho tantas coisas a dizer; um dia ainda te digo tudo. Ha tantas coisas perdidas nas entrelinhas. Tantos suspiros. Tantos desejos e vontades que nunca me saciastes. Tantas coisas que se perderam, folhas que voaram ao vento e as memorias me parecem tao tolas, tao banais.

Meu querido, nao quero dizer-te que quem errou fostes tu. Eu tambem errei.

Deixei o peso de meus medos e insegurancas cairem sob nossa alcova. Permiti que tu mandastes em mim e em nossa casa. Me submeti a teus caprichos e olhei teus erros com misericordia. Te mimei, como mimam as maes. Te trouxe comida na cama, remedio quando estavas com dor, cafune quando nao conseguias dormir. Mesmo cansada apos um longo dia no trabalho fiz massagem em ti quase todos os dias. Fui eu que te ensinei a ter tudo o que querias de mim, pois tive medo de te perder. Eu te desacostumei.

Permiti que me disseses o que era certo ou errado, e aceitei tuas escolhas, julgano assim, uma parceria. Pedi desculpas quase sempre apos uma discussao porque me feria sempre mais te ver contrariado, sob tuas greves de silencio eu me curvava sempre. Aceitava tuas ameacas, nao desconfiava de tuas mentiras, nem via teus jogos manipulativos tentando ganhar sempre mais motivos para estar certo e no topo de mim.

Deixei que parecestes mais forte do que eu, mesmo sendo eu quem tomava conta de ti. Permiti que brilhasses mais nas festas, mesmo sendo eu a quem todos convidavam. Permiti que me humilhasse pois so assim te sentirias culpado e voltarias carinhoso, mas isso raramente acontecia.

Tentei fazer de ti meu companheiro. Extrair de nossa historia romantismo e aventura. Tentei ser a mulher perfeita, por ti aprendi a cozinhar. Tentei te levar pra farra. Tentei te trazer comigo. Nunca quisestes. Quando fui sozinha, reclamou de mim.

Querido, tu me podastes demais! Fostes pessimista comigo. Nunca aceitou meus jeitos e tri jeitos. Me julgou demais! Nao podia ter livros na sala, nem acender velas no quarto. Nao podia exagerar no vinho, nem no som da minha gargalhada. Tentei viver nessa caixinha emprestada, mas nao consegui. Tu me expulsastes antes, e isso me feriu. Mas sabia que minhas asas estavam crescendo pelas frestinhas que o tempo incubiu de abrir no meu pequeno cativeiro.

Eu te amo, nao me entenda mal. Mas para um homem bem crecsido, sucedido e bonito como tu, ha de se esperar mais sensibilidade, e que fostes mais moderno e mais maleavel. Eu tentei te mudar, juro! Mas detesto tentar mudar as pessoas, pois elas sao o que elas sao, nao podemos lhes forcar nada. Poderias ter observado e aprendido, mas estavas muito fechado para isso. Ah mas eu , eu suspirei no teu ouvido. Te dei dicas, conselhos. Te expliquei que ha na vida bens maiores, nesescidades menores. Te expliquei da importancia de viver cada momento com intensidade. Para tanto te banquei inumeros ingressos para concertos, viagens, e teatros, para ver se aprendias, seguido pelo exemplo. Mas por algum motivo, a coisa nao andou exatamente como o planejado. Ops! E essa e a surpresa da vida, a gente nao planeja. Ouviu?

Entao, querido, nao planeja mais teus esteriotipos de mulher amada, filhos, amigos. Nada disso existe, e tudo uma farsa muito bem inventada, por uma sociedade qualquer. Aceita as pessoas como elas sao, ama-as como elas sao, e por favor, nao pensa que elas vao mudar com o tempo se deres uma forcinha. Elas nao vao! E podem ate mudar, mas podem desencambiar para um lado que tu nao tenhas imaginado. Aceitacao, e a chave meu bem. Nao existe pecado. Pecado maior e nao aceitar as diferencas.

Querido, se eu puder te dar um conselho eu te diria, da proxima vez, ame com tudo o que tens: livremente, intensamente, e sem medo. Nao mata! Aceite mais. Se doe mais. Peca mais perdao e nao tente estar sempre certo. Na verdade isso nao importa nem um pouco. O mais importante e manter o bom-humor no meio de uma briga.

Eu sei que nem parece eu, essa que te escreve. Mas acredite sou eu mesma. E surpreendente o quao melhor e mais abrangente enchergamos quando pulamos o imenso muro que estava sob nossos olhos. Espero que consigas pular esse muro em breve, se der te encontro do outro lado.

Com um carinho imenso,

Ana Frantz

Responda

Quem sou, ou, acho que sou... quem quero ser, quem gosto de ser?

Thursday, 12 June 2008

Oracao

“Meu Deus, me dê a coragem de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites, todos vazios de tua presença.
Me dê a coragem de considerar esse vazio como plenitude. Faça com que eu seja a tua amante humilde, entrelaçada a ti em êxtase. Faça com que eu possa falar com este vazio tremendo e receber como resposta o amor materno que nutre e embala. Faça com que eu tenha a coragem de te amar, sem odiar as tuas ofensas à minha alma e ao meu corpo. Faça com que a solidão não me destrua. Faça com que minha solidão me sirva de companhia. Faça com que eu tenha a coragem de me enfrentar. Faça com que eu saiba ficar com o nada e mesmo assim me sentir como se estivesse plena de tudo. Receba em teus braços o meu pecado de pensar.”
Clarice Lispector

Da verdade

Amanheci em colera. NÃO , Nao o mundo nao me agrada. A maioria das pessoas estao mortas e nao sabem. Ou estao vivas com charlatanismo.E O AMOR, EM VEZ DE DAR, EXIGE. E QUEM GOSTA DE NÓS QUER QUE SEJAMOS ALGUMA COISA DE QUE ELES PRECISAM.Mentir da remorso, E NÃO MENTIR E um dom que o mundo nao merece.
Clarice Lispector

Discovery

You live like this, sheltered, in a delicate world, and you believe you are living.
Then you read a book(Lady Chatterley, for instance), or you take a trip, or you talk with Richard, and you discover that you are not living, that you are hibernating.
The symptoms of hibernating are easily detectable: first, restlessness.
The second symptom(when hibernating becomes dangerous and might degenerate into death): absence of pleasure.
That is all
It appears like an innocuous illness. Monotony, boredom, death. Millions live like this(or die like this) without knowing it.
They work in offices. They drive a car. They picnic with their families.
They raise children. And then some shock treatment takes place, a person, a book, a song, and it awakens them and saves them from death."”
Anais Nin

Friday, 6 June 2008

Das perdas

A gente nao quer, nem deveria perder. Disse Lya Luft. Perdas nos fazem sofrer demais. Principalmente aquelas que exigem de nos a mudanca. Mudar doi. Sair do lugar comum e desconfortavel. Da preguica e medo.
So muito tempo depois e que percebemos, o quanto ganhamos depois da perda, e o quao melhor estamos, ate termos que perder novamente, para mais uma vez mudar. Isso tudo porque a vida e inconstante e exige de nos essa mobilidade. O que nao muda, nao vive. E seria terrivelmente entediante.
Ainda que doa essa perdicao, ainda que me sufoque essa falta de ar, essa solidao e incerteza, ter que mais uma vez me acostumar com o novo e desafiar o destino, ainda assim, prefiro o ingresso para a montanha russa do que para o carossel.
Viver sem riscos e impossivel, assim como e impossivel viver sem doer de vez enquando.
Tento aceitar a minha dor. Tento me abrir para o novo, como paginas de um livro.
Por mais que haja a coragem, ainda assim o velho cantinho confortavel chama por mim. Choro de saudades. Me retorco- quero voltar para o tao conhecido e velho cobertor. Mas nao posso, o cobertor ja nao esta mais la, o que ha e apenas uma lembranca.

E elas podem viver, desde que se saibam apenas lembrancas e nao se transformem em fantasmas assombrando o novo que quer chegar.

Perdas nos fazem crescer e ver a vida em diferentes tons, nos forcam um olhar pra dentro, nos guiam para uma paixao maior : nos mesmos! E quando nos apaixonamos mais uma vez por quem somos e que os milagres comecam a acontecer.

Ana Frantz

Wednesday, 4 June 2008

Me deixa

Das certezas da vida
Tenho apenas uma
Va !

Nasci para ser so
Solitaria
Construir meu castelo
De ilusoes

Nao nasci para ser triste
Nem para ser frigida
Nasci para ser livre
E ser do amor a alma viva

Ser do voo as asas
Ser do vinho o calice

Aceito o que ha em mim
E isso me basta

Quero amores, quero amantes
Mas me quero mais que tudo
Quero linguas e acenos
Quero cobertores e travisseiros
E quero tambem tardes vazias

Quero a inconstancia
Por de sol apos um dia de chuva
Quero provar o impossivel
Nem que seja me embriagar contigo

Me apaixono sempre
Pelos caras errados
Sao brutos, sao tarados
Sao machistas e fracassados

Amo por piedade
Tentando emprestar tudo o que tenho

Na verdade minha arrogancia e
Meu egoismo
Sao tao grandes quanto meu carater

Mas nao me importo comigo
Quero eloquencia e as duas metades da laranja
Nao me defina
porque sou um pouco de tudo
E em meus olhos
Ha de haver o fogo do inferno
E a benevolencia dos ceus

Sou tua.
E sou minha
Mas sou o que o sonho inventa
Nao me de pontos, nem virgulas
So me deixa ser

Ana Frantz

Dos amores que tive

Dos amores que tive
Restaram as memorias
Fios cristalinos
Moldados a quatro maos
Ficaram os retratos guardados
E se presente tiveram
Em alguma gaveta

Dos amores que tive
Resta
A saudade
A estranha certeza do adeus
A covardia e o orgulho
O nao saber o que se foi feito
Daquele jeito de sorrir, ou daquela facilidade em me fazer chorar

Dos amores que tive
Resta uma vontade
De reve-los, de vive-los outra vez
De mais uma vez sentir o aroma, o gosto e o paladar
Da antiga peca ensaiada

Dos amores, dos grandes amores que tive
Restam tres nomes
E uma duvida voraz
Para que tanto adeus

Ana Frantz

Ela disse: By Teresinha Frantz



Voa, voa minha filha! Abre a portinha da tua gaiola e voa de encontro a tua felicidade. Vai viver a felicidade que e tua! Tu e alegria, onde estas, traz a alegria contigo. Nao nascestes para ser triste. Tu precisa de aventura! Entre dois caminhos tu vai sempre escolher entre o mais complicado, so pelo prazer de pular entre pedras. Lembras do que sempre te conto do dia em que aprendestes a caminhar? Quando deu teus primeiros passinhos, olhou pra tras e deu uma gargalhada, como que me dizendo - Agora tu nao me segura mais, posso ir onde quer que eu queira!


Lembra disso e faz disso teu lema. A liberdade. Que e tua agora. Ja sofrestes demais; agora voa! Porque ha um canal aberto pra ti, posso ver, e tudo o que quiseres vai conseguir, desde que seja para o bem. Teu carisma vai conquistar teus amigos, e teus amores, e tu vais encontrar um grande amor, tu vai ver. Confia em mim.
Voa, voa minha fadinha. Balanca tuas asinhas!

------------------------------------------------------
Agora eu vos digo, quem tem uma mae assim, quem tem uma criadora com dom tao inspirador, que conhece cada arteria da veia de sua criatura, e que presta tamanho incentivo. Para quem tem uma mae assim, as bencaos do ceu, es uma pessoa de sorte!
Amo-te Teresinha Cafe, a Gelci, a Mae, a Dona. A minha maezinha.

Tuesday, 3 June 2008

Da vida que e para ser VIVIDA


Clarice Lispector, minha autora favorita, escreveu: "Mas há a vida que é para ser intensamente vivida, há o amor que tem que ser vivido ate a ultima gota. Sem nenhum medo. Nao mata" .

Essa frase e a fracao literaria de maior impacto pra mim. E a frase que gostaria que estivesse escrita em letras de ouro na minha lapide, quando eu morrer. E a frase que gostaria que estivesse escrita na Biblia, no Alcorao e em todos os livros sagrados.

Sim ha a vida que e para ser vivida ate a ultima gota.

Para que tanto medo das chuvas, das revoadas, e das tempestades? Medo da mudanca, medo da perda, medo da dor! A vida exige a entrega suprema, como a de quem fecha os olhos para entrar no mar e mergulha ate o fundo, sem perceber o quao gelada a agua estava para os pes.

E quanto ao amor! Todo amor vale a pena. Todo amor exige o naufragio completo. Despir-te de ti mesma, e ser tu mesma a propria recriacao em carne viva do amor que te dilacera o peito. Ha que amar, como se nao houvesse amanha, e entregar a ele tua forca e tua dor, como se o amor que sentes fosse o Deus que habita tua alma.

Nao ha que ter medo. Nao ha que te conter. Seja tu mesma! Esqueca os rotulos, as leis tao pequenas, porque para quem ama, os pecados sao perdoados.

Ao amor, eu me entreguei. E me entregaria tantas vezes sem conta-las, infindaveis, inumeros labirintos. E de gritos em gritos de prazer ou de dores extremas, me julgarei viva. Da carne tremula, da lagrima viva, do sorriso que me arde os labios. Do amor serei a entrega, e pra tanto serei a vida.

Me entrego de corpo e me atiro do abismo, porque nasci para os voos profundos, os mergulhos mais longos, e para as dores mais intensas.

Me agarro a vida e dela faco meu palco e meu circo. Tudo que toca eu levo comigo, e em tudo o que eu faco deixo um pouco de mim.

Ana Frantz


De Cecilia Meireles



Nem tudo é fácil
É difícil fazer alguém feliz, assim como é fácil fazer triste.


É difícil dizer eu te amo, assim como é fácil não dizer nada


É difícil valorizar um amor, assim como é fácil perdê-lo para sempre.
É difícil agradecer pelo dia de hoje, assim como é fácil viver mais um dia.
É difícil enxergar o que a vida traz de bom, assim como é fácil fechar os olhos e atravessar a rua.
É difícil se convencer de que se é feliz, assim como é fácil achar que sempre falta algo.
É difícil fazer alguém sorrir, assim como é fácil fazer chorar.
É difícil colocar-se no lugar de alguém, assim como é fácil olhar para o próprio umbigo.
Se você errou, peça desculpas...
É difícil pedir perdão? Mas quem disse que é fácil ser perdoado?
Se alguém errou com você, perdoa-o...
É difícil perdoar? Mas quem disse que é fácil se arrepender?
Se você sente algo, diga...
É difícil se abrir? Mas quem disse que é fácil encontrar alguém que queira escutar?
Se alguém reclama de você, ouça... É difícil ouvir certas coisas?
Mas quem disse que é fácil ouvir você?
Se alguém te ama, ame-o...
É difícil entregar-se? Mas quem disse que é fácil ser feliz?
Nem tudo é fácil na vida...Mas, com certeza, nada é impossível
Precisamos acreditar, ter fé e lutar para que não apenas sonhemos, Mas também tornemos todos esses desejos, realidade!!!

Da terapia

Quando fico muito cansada, no sentido mais viceral da palavra, tento escapar do escritorio e me refugio num pequeno parque ao lado. A fonte, as arvores e as rosas parecem me dar uma certa tranquilidade. Nessa tarde tao estranha, onde o silencio parece impregnar ate mesmo na sombra inexistente das chuvas, chego ao meu cantinho particular para puxar um folego, e o que tenho a mais ou menos uns dez metros de mim e um casal discutindo e gesticulando. A mulher levantando as maos, levantando a voz, o homem olhando pra baixo como se quisesse faze-la desaparecer naquele instante. Ver essa cena, protagonizada tantas vezes por mim mesma, foi um tiro no estomago.
Meio zonza ainda em meio aquele turbilhao de memorias das rejeicoes e de tanta falta de compreencao em que naufragamos nossos relacionamentos, comecei a refletir no quao dura e essa humana lida. Essa infindavel busca, essa constante batalha em sentir-se amado por alguem e em encontrar alguem para amar. Alguem que nao nos mande embora, mas nos mande flores. Alguem que nos critique menos e aceite nossos defeitos. Alguem para conversar, para contar segredos com a certeza de qua nao ira usar as palavras reveladas contra a gente na primeira briga. Alguem nem perfeito, nem modelo de beleza, nem tanto, nem tao pouco. Alguem real e humano. Que nos ajude a crescer, que nos mostre pontos de vista diferentes, mas que nao fira nossos mais importantes sentimentos. Alguem que fique, e nos ame, como se nao houvesse amanha.
Quando olhei pra frente, o homem estava abracando a mulher, que chorava em seu ombro. E naquele instante o tempo parou. Pude sentir a harmonia tomando forma, ate as flores ficaram mais coloridas. O relogio da antiga Igreja que ja nao funciona desde a Segunda Guerra, marcava dez horas. O instante foi perfeito. Um abraco cura tudo. Virei as costas e voltei para o trabalho, abrcando a revista que acabara de comprar.
Ai me lembrei do livro da autora norte americana Kathleen Keating, A terapia do Abraco, que entre outras coisas e formas de abraco, nos diz que uma pessoa para sentir-se viva, precisa dar 8 abracos por dia! Comece abracando quem esta mais proximo!
Ana Frantz

Da mudanca

" Minha vida e mais confusa que a America Central, por isso nao me acuse de ser irracional. " O som dos gauchos, cai como uma luva em minha conjuntura atual, e volto a ouvir Engenheiros do Hawai apos quase uma decada.
Na verdade, minha vida tem assumido guinadas irracionais, curvas e mudancas que tem me deixado meio tonta. E o mais engracado de tudo isso, e que me sinto como se estivesse vivendo a dez anos atras. Perdas e ganhos como Lya enfatiza, e a vida que vai sendo pincelada numa tela improvizada.
Das perdas as surpresas dos ganhos surpresas maiores ainda. A vida tem sido um segredo e uma descoberta diaria, quando o chao te foge aos pes, a unica opcao que resta e o voo.
Enfim, semana passada, em meio a uma depressao, decidi tomar as redeas dessa minha louca e breve vida, e promover pelo menos uma mudanca que partisse do meu proprio desejo. E para isso - pensei. Nada melhor do que a cadeira do meu cabelereiro favorito em Londres. E pra la eu fui. Caminhando pelas ruas de Vitoria- vitoriana, num tipico dia de chuva na capital Britanica.
Cadeira a postos, ordenei. -Quero uma mudanca!
E la se foi dedos e tesoura e muitas mechas, num bale quase ensaiado e eu senti que ate mesmo aquilo estava escrito no destino. Ate mesmo meu ato mais irracional, meu desejo mais secreto de mudar, ate mesmo minha vontade juvenil estava escrita! A acao meio rebelde, meio corajosa. Meio desprendida e meio liberal. De la sai com meus cabelos curtos, como nunca antes havia tido. De la sai meio nua, meio desprotegida. Mais feia talvez, no entanto mais livre! Livre do passado. Livre do peso do conforto, do lugar comum, daquilo que e mais facil.
Cabelo para uma mulher, e quase tao importante quanto sua alma. O cabelo define personalidade, define beleza, define auto-estima. Cabelo longo e sempre mais feminino, e sempre mais confortavel, um porto seguro que todas nos queremos ancorar e la ficar, no santuario sagrado de nosso territorio tao conhecido. No cabelo longo se tem onde pousar, as maos sabem onde se afundar quando nervosas. E escudo protetor, e aconchego em dias frios.
Cabelo curto e a ausencia, e a ousadia, e a acao, a falta de medo ate mesmo da sua propria feiura,de sua indecencia e masculinidade. E a ausencia do escudo protetor, sao os olhos expostos a flor da pele, a boca, os silios e o nariz.
Quando cheguei em casa, precisei de um ato de coragem para puxar o espelho na minha frente, e tentar uma vez mais reconhecer aquela que me olhava do outro lado. Continuo nao sabendo quem sou. Nem tao pouco me convenci que esse corte me caiu bem. Sim, mais feia talvez, quando o que eu mais precisava era me sentir bonita.
Mas e ai que esta o segredo, saber andar no escuro com os olhos fechados, o cego que tateia estrelas distraidas, a fortaleza que se recria no nada, e a coragem que se descobre na ruptura de limites inventados.
Quando meu cabelo crescer, estarei curada, e o tempo que meu coracao precisa para aprender a respirar novamente.
Ana Frantz

Livros que me acompanham em 2009

  • Notes from my travels- Angelina Jolie
  • THE SHAMANIC WAY OF THE HEART - Chamalu- Luis Espinoza
  • Shooting Butterflies - Marika Cobbold
  • The Global Deal - Climate change and the creation of a new era of progress and prosperity- Nicholas Stern
  • The Penelopiad- Margaret Atwood
  • Discover Atlantis - Diana Cooper
  • Tne Gift - How the creative spirit transform the World - Lewis Hyde
  • My East End: A history of Cockney London- Gilda O'Neil
  • Delta of Venus- Anais Ninn
  • The Little Prince- Antoine de Saint Exupéry *** Apr
  • Doidas e Santas- Martha Medeiros (March)
  • The English Patient by Michael Ondaatje
  • Gilead by Marilynne Robinson - Feb
  • Healing With the Faries by Doreen Virtue (Feb)
  • Montanha Russa- Martha Medeiros (Feb)
  • O codigo da Inteligencia - Augusto Curry - Feb
  • O Ensaio sobre a cegueira - Jose Saramago ( Jan Lendo)

Livros que andaram comigo em 2008

  • Meditacao a primeira e ultima Liberdade by OSHO ( Dec)
  • The English Patient by Michael Ondaatje (Dec Lendo)
  • Harry Potter and the Philosopher's Stone - J.K Rowling (Oct Lendo)
  • The PowerBook - Janette Wintersone (Oct- )
  • A vida que ninguem ve- Eliane Brum (Sep - Lendo)
  • The Birthday Party - Panos Karnezis - (Sep )
  • Ensaio sobre a Lucidez -Jose Saramago (Lendo...)JUN
  • Nearer The Moon -Anais Ninn (Lendo..) JUN
  • Superando o carcere da emocao - Augusto Cury(lendo...) JUN
  • Perdas e Ganhos- Lya Luft Jun(Releitura) Jun
  • A Mulher que escreveu a Biblia - Moacyr Scliar(May) ****
  • The Secret By Rhonda Byrne (May)
  • Time Bites -Doriss Lessing March (lendo...)
  • Life of Pi - Yann Martel (March to May )
  • The Kite Runner -Khaled Hossein /March ****
  • Back when we were geown ups / ANNE TYLER (larguei na metade)
  • O Sonho mais doce - DORIS LESSING /Feb ****
  • The Crimson Petal and the White- MICHAEL FABER / Dec-Jan / ***

Livros que me acompanharam em 2007

  • Burning Bright - TRACY CAVILER
  • Fear of flying - ERICA JOUNG (larguei na 50th pagina)
  • I'll take you there - JOYCE CAROL OATES ***
  • Memorias de minhas putas trsites GABRIEL GARCIA MARQUEZ ***
  • The Siege - HELEN DUNMORE ***
  • A girl with a pearl earing - TRACY CHAVILER ***
  • A year in Province PETER MYLES ( larguei na metade)
  • The mark of the angel- NANCY HUSTON-
  • A bruxa de portobelo - PAULO COELHO -
  • Under the Tuscany Sun - FRANCES MAYA -
  • Sophie's World - JOSTEIN GAARDER *
  • The umberable lightness of being - KUNDERA- **
  • As aventuras da menina ma MARIO VARGAS LOSA - ****

Followers

Nas entrelinhas

About Me

Lua

CURRENT MOON
p>

FEEDJIT Live Traffic Feed