Thursday, 28 May 2009

The way I see it


The way I see it: enjoy life. Make mistakes. Don't be afraid. Take a chance. Don't be proud, don't be reckless with yourself. Make new friends, whenever possible. Keep the good ones. Let go the ones that hurt you. Sometimes people change. Sometimes they grow apart. Love your family, your friends, your partner, the homeless, the lonely cat on the street. Share your light, your love, your spirit. Keep your sorrows, for those strong enough to cheer you up, don't spreed them recklessly like a disease. A smile is conatugious, as it is a dark cloud of tears. Be positive! Be funny! Face it, nothing is that serious! Nothing is static. A minute can change, the end of a tale, a minute can drag away a havy cloud, a minute can put a simle on your face, or , yes a tear in your eyes. Live life! Experience it! I hope you experience things you never did before, I hope you do one thing that scares you. Hope you travel alone at list once. Hope you enjoy your own company. Don't worry about what other's may be thinking of you, because nobody is perfect and everyone is unique. Be free to be yourself! Be free to think and express your feelings! Become who you are! Face other people point of view, if you always stick with people like you, than you will hardly develop what is not so great about you. Dream, dream, dream! Create your own universe, your own boundaries. You are the only person, who can tell you how far you can go. Belive in yourself! Trust yourself! Trust others. Forgive your enemies. Don't accumulate them. Be kind, be gentle, be happy. Be in love with life. Life can be prettier than you think, can be bigger than you may have imagined. Take a chance to be the best you; you could ever be today! Carpe Diem!

AF

Friday, 22 May 2009


No mesmo lugar


     Te ajoelha em frente das memorias e lhe da outro abraco demorado. Abre teu peito nu e mais uma vez te expoe para tudo aquilo que mata. Bebe, ate a ultima gota, dessa essencia, que a vida instiga nos olhos de quem tem fome.
    
    Te olho e tudo se torna claro. Me vejo no sangue que corre nas tuas veias. Te vejo no olhar que finje, no coracao que se fecha e na boca que se cala. Te quero. Nao te preciso. Sei viver bem, sem ti, aprendi a respirar. A andar, e com o passo rapido, o voo.

  Mas te quero ainda, atras de qualquer farsa minha. Atras de cada grito, de cada desconsolo. Depois de cada voo, o passaro cansado que anseia o pouso.

  Ainda assim, so confio, em quem tem fome. Em quem se despe em frente a vida, e ama, para depois das explicacoes. Ainda assim, me curvo, a quem escuta a propria batida de seu coracao e e corajoso o suficiente, para suportar a queda. Corajoso, para despir-se das mascaras. Corajoso para seguir seu mais secreto desejo.

 Nunca quis os fracos, os que temem as paixoes. Os que escolhem o silencio sobre a palavra, o carinho sobre o aperto de maos. Nunca quis fazer discurso para os mudos, nunca quis te entender; te perder.

 Recolho o que e meu. Minhas asas. Meu olhar. Minha palavra. E te dou a pureza do meu silencio. Da minha agonia medrosa, da minha dor maliciosa. Da minha ilusao obscena. Da certeza que e so minha. Para mim, continuas cego.

  E quando me confessas; que o pior dia da tua vida, foi tambem o meu, e que lembro que nos morremos no mesmo tempo. Ja nao te cobro mais um outro olhar, a dor que carregas, e so tua. Te deixo, e sigo com a minha. Renascemos entao!

  Mas ainda assim, insisto: e abro meu peito nu, para a vida, para seus cegos e seus amores. Ainda assim, te espero chegar. Ainda assim, abro minhas asas em redencao ao novo, ao belo ao sonho.  Sou da vida sua marionete, e me deixo guiar com os ventos. Ainda assim te digo adeus, para depois, querer voltar correndo. Ainda assim estendo minhas asas para a lua, e me expando solitaria.

  Te deixo ir entao, ate mais um segundo.

AF

  

  

Thursday, 21 May 2009

Quero queimar as lembrancas todas. Todos esses veus, de memoria, que me veem perseguindo. Fantasmas obscuros. Querem meu sangue. Meu tempo. Meus dilemas, minha fome, minha vida. Nao quero mais viver do passado, me alimentar das antigas fotagrafias, do corte de cabelo que nao me caia bem, das roupas velhas, dos velhos abracos, das flores que ja secaram nos vasos, e nos parques de outras estacoes.

Quero agora o novo. E tudo o que ele edita.

AF

Wednesday, 20 May 2009



"If you can explain it, then it's not magical realism."

Tuesday, 19 May 2009




Onde ficou quem fomos?
"So you get a good idea, and it just moves forward and then usually by the time you're finished, it doesn't resemble anything of what might have been the inspiration. It's simply the spark that starts the fire." Quentin Tarantino

Monday, 18 May 2009

Inteligente Emocional


     Inteligencia Emocional "a capacidade de sentir, entender, controlar e modificar o estado emocional próprio ou de outra pessoa de forma organizada". Modificar o estado emocional de uma forma organizada. Interessante isso. Quando olho pra dentro, minhas emocoes estao todas la a flor da pele, me gritando, qualquer coisa que ainda nao consegui entender. 

   Ter o poder de modificar as emocoes, poderia ser,para nos como redescobrir ouro de outro metal. A alquimia de um coracao, que entao poderia mudar de cor feito um camaleao. Se protegendo quando nessessario, noutras se camuflando e ainda se pintando de cores, para celebrar um encontro.

   A maior parte dos nossos dilemas existenciais, parte do fato, de nao sabermos controlar nossas emocoes; esses cavalos selvagens cavalgando em nos, cegamente, pelas arterias do que somos. A paixao, o ciumes, a raiva, e a agonia de nao poder superar uma emocao evaziva, que so chega para nos fazer mal.

     O unico jeito de tentar dominar, esses cavalos selvagens, e deixar que corram soltos em nos. Livremente. 

     Tentar mascarar um dominio e o pensamneto que atica, e prolongar uma esborragia. Que vai acontecer, antes que se imagine. Nao sei controlar o que sinto! Nasce em mim, como flores selvagens. Nao posso fazer nada para controla-las. Me rendo a sua existencia, ja faz parte da minha biologia. E e nessa explosao que sempre me acho inteira no final.

      Mas ainda assim, sempre restam palavras nao ditas, pedidos de socorro, um amor que ficou pelo caminho. Ainda assim resta uma magoa, um pedido de perdao, ou que talvez, o tempo pudesse voltar. Ainda assim, resta um bilhete, uma letra de musica junto com uma assinatura. Ainda assim impera o silencio, de quem quer deixar as emocoes todas organizadas, la na casa da apatia.

Ana Frantz

     

   

Home
SE tens que me deixar,
que seja entao feliz...






hhh

Saturday, 16 May 2009


Nao aprendi a dizer Adeus



         E tao dificil definir uma saudade. A saudade as vezes adormece em um sono lento, noutras ela acorda com olhos esfomeados, e vai aos poucos devorando um coracao. Saudade e aquela vontade que da de trazer pra perto. De olhar rente a pele. De conversa olho no olho. De redescobrir as cores de um olhar que ha tempos nao vemos. De mais uma vez ouvir a voz suave de quem amamos. De devorar aquela comida que a temos nao saboreamos, de se esticar no sol, quando ha meses nao podemos, de olhar mais uma vez aquela paisagem, de tocar mais uma vez tudo aquilo que nos tocou com tanta intensidade. So sentimos saudades do que perfurou, a ferro e fogo, as entrelinhas, de tudo o que entendemos sobre nos mesmos

       As coisas sem significancia nao deixam saudades. E as lembrancas sao leves e opacas. Mas em tudo aquilo que depositamos nosso mais profundo amor, em relampagos de rancor ou da alegria desmedida, sao as coisas que mais sentiremos o peso da ausencia. Todas as coisas boas, ou ruins, que passaram, vao sempre deixar saudades, se tiveram o dom de nos inquietar por dentro, de nos fazer emergir em um outro descobrimento sobre nossos proprios misterios. Sobre o que amamos em nos e no mundo, e sobre tudo aquilo que nao queremos por perto, porque causa dor.


       Saudade e nao ter. E estar longe. E nao se bastar na manha que chega. E querer ser outra. E ansiar por outro lugar, outros horizontes, outras cidades, casa, pais. E querer trazer pra perto, o que ja nao existe mais, ou, quem agora traca um outro caminho.

     Cheiros sempre me dao saudades. Musicas sertanejas sempre me remetem aos churrascos de domingo em Santa Cruz. Chuvarada me lembra da infancia e me enche de saudades do meu pai, que sempre que chove forte, para na varanda para observar. Beatles vai sempre me lembrar Londres, mesmo que nao os escute diariamente. Legiao sempre vai me lembrar 96, e Xuxa 85. Rita Lee vai me remeter a 99. Chimarruts, Ana Carolina e Leoni vao sempre ressurgir 2008. A palavra Greenwich vai sempre me lembrar um soco no estomago, de uma mudanca que nao foi feliz. Bethnal Green vai sempre lembrar casa, e Joaquim Murtinho um porto seguro. Cada foto vai me dar uma saudade, cada musica vai me fazer reviver o que sentia, cada perfume vai me trasnportar para um determinado tempo. Cada amigo, cada irmao, cada ex-amor.A cada dia, um pequeno detalhe que ressurge uma saudade. Certos capitulos dessa historia que hoje escrevo. No final somos a soma do que vivemos, e de tudo aquilo que escolhemos armazenar em nos.


      Apesar de tanta saudades, de tanta gente que abandonei pelo caminho, ou que me abandonaram em algum lugar. Depois de tantas paisagens, de tanto por de sol, banhos de mar e tardes de chuva. Esse espetaculo que a vida edita, em dias febris, em noites sombrias, e horas que custam a passar. Nas cenas de alegria, no romance, nas velas acesas, pelas estrelas do ceu. Dos dias de adeus, aos abracos do reencontro. Sou sempre uma saudade, sempre uma vontade de devorar da vida, o passado, o presente e o futuro. Quero ainda mais vida que o segundo traca no relogio. Meus anseios, essa fome intensa. Nao aprendi a dizer adeus, e tudo aquilo que me toca fundo, permance em mim, feito tatuagem rente a pele.

Ana Frantz
 

Friday, 15 May 2009


"No pessimist ever discovered the secrets

of the stars,

or sailed to an uncharted land,

or opened a new heaven to the human spirit."

~ Helen Keller

Wednesday, 13 May 2009

Olhos esfomeados


      Tem dias que sao diferentes. Alem do sol, da chuva, das inusitadas cores que um ceu nos presenta. Tem dias que simplesmente assumem sua energia propria. Dia de silencio, tardes que passam, varridas num profundo estatico, ainda que gritos ecoem no quintal, o silencio, pode ser tocado. Noutros a alegria e tao intensa, que a fome de vida nos devora, e somos capazes das mais loucas artimanhas. Outros dias praticos, outros em que a gente sonha. E outros que a gente se sente triste, sem razao alguma.

    Hoje uma contidade de pessoas que me rodeiam estao tristes. Cada um com seu motivo especial. Mas quase todos os meus amigos hoje estao com as asas do sonho recolhidas. Nao sei se isso tem a ver com a lua, especialmente depois da lua cheia mais importante do ano, (Lua de Budha) estar migrando agora para a minguante, se esvaziando lentamente de todo seu magico esplendor. Pode ser.

  Pode ser tambem que coincidentimente as vezes a gente simplesmente para a roda dos dias, e desacelera o compasso, e se olha rente a pele, nas impressoes digitais da alma, e vai aos poucos, com tanta nitidez, fazendo um mergulho em tudo o que se e, em tudo o que se quer ser. Essa angustia de querer chegar. Esse medo de quem sabe nao conseguir. Essa falta de afeto verdadeiro, do amor que nao se esgota, do amigo que nao desaparece nas entranhas da correria.

 E se pensa nos velhos dias da infancia, nas longas tardes de brincadeira, na angustia febril da adolescencia, da nossa insensatez, que as vezes, ansiamos de volta. Se pensa em tudo o que foi, o que fomos. Em qual de nos, fomos mais nos mesmos? Em qual parte da estrada, essa essencia, que me acostumei a ser, era mais ou menos minha? Nos ciclos, nos anos que passam, nas pedras que deixamos pelos caminhos, nos amigos que nunca voltaram, no amor que secou, na saudade que se expandiu. Ate que ponto, somos nos mesmos, intactos pelo mundo? Sera que nos recriamos a cada dia, somando ganhos, diminuindo perdas?
 
 E o que sao perdas afinal? Meu amigo, Romar, me diz que somos a soma dos ganhos subtraindo as perdas, e eu fico aqui com meus brochinos tentando contabilizar isso tudo. E nao consigo! Porque o que se perde, e tambem, o que se ganha. A experiencia de um coracao que amou demais, a magoa de alguem que deu tudo o que tinha por amizade, um olhar mais esfomeado, as memorias se ampliando pela casa de dentro, as imagens, as paisagens, parte do que somos que so vai se expandindo com o tempo. Quantos ganhos o tempo traz quando se olha tudo assim, do alto?

Mas tem dias, que a altura nos da arrepios, e queremos mesmo e tocar a terra, com os pes firmes. Nada de errado nisso, e da  natureza humana, o pouso e o mergulho, tanto quanto o voo. O segredo e voltar do mergulho mais intenso, e nao esquecer da hora certa de voltar, porque um naufragio, pode levar mais que um dia.

 Tambem me deixo minguar junto com essa Lua que a noite convida. O vento vai dancando la fora, arrancando sem piedade as petalas cheirosas de minhas flores. Mas ainda assim, amanha sempre sera um novo dia. E meus olhos esfomeados de vida, esperam ja ansiosos, por mais um nascer do sol.

Boa noite, amigos, meus.

Ana Frantz

   

Tuesday, 12 May 2009

Thanks

Every day is celebration. What can you celebrate today? How are you going to do it? Celebrate your health by lighting a candle and giving thanks, celebrate the beauty of the flowers by saying a few words of thanks, celebrate a bautiful sunset by opening your arms in a gesture of expansion.
Diana Cooper

Just Break The Wall!











jjj
jjj
jjj

k
k
k
GGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG bERLIN wALL- 2006

Tijolos



Nunca acreditei em verdades eternas, em gente que nunca muda de casa, de lugar, de cadeira no cafe preferido. Nunca acreditei em cosmeticos, cirurgia plastica ou pilulas para emagrecer. Nunca acreditei em quem me soava falso demais, feliz demais, perfeito demais. Nunca acreditei em quem sempre teve razao de tudo, certeza de tudo, frase formada para quase tudo. Nunca acreditei no mal, na falsidade, na falta de afeto. Nunca acreditei na minha religiao, no meu governo, no meu pais.


Embora ainda nao acredite no mal, e continue sendo completamente contra cirurgias plasticas em pro de uma estetica, estipulada por revistas de moda, em muitas coisas, sobre a lista acima, estive repassando um olhar mais atento e menos decisivo. Claro que a lista poderia se estender, ha muitas coisas em que nao acredito, por nao querer acreditar, por nao poder aceitar, enfim. O ponto de tudo isso, e apenas esse : flexibilidade.

As coisas mudam, nos mudamos. Es sa, se te permites, um rebuscar por dentro. Es limpo, de toda a sombra, se te deixas mudar de ideia, se te obrigas, vez que outra, mudar conceitos, sobre os outros que te cercam, sobre a ti mesmo. Nada mais autentico e rejuvenecedor do que nascer de novo, numa manha de terca. Nada mais audacioso do que quebrar muros de Berlin em nos. Refazer as liricas favoritas, trocar o disco, ler outro livro. Te recrias a cada dia, a cada nescessidade tua, es teu pintor, teu melhor amigo. Es livre!

Abra as janelas de dentro, deixa o novo ar entrar! Estipule menos, programe menos, nao te preocupes a exaustao. E em tudo o que es, tente, pelo menos, nao julgar. Nao te julgues tanto!Aceitar que erramos, que nos precipitamos, que antecipamos. Nem sempre o compasso e o cradenciado. Nem sempre a sorte a favor do tempo. Nem sempre, nos, donos de nos mesmos, capaz de nutrir e definir, nossas sombras e arco-iris internos. Te permita ser, essa metamorfose ambulante, como o nosso hippie dizia, e bem melhor assim, do que ter aquela velha opiniao formada sobre tudo.

Pois bem, hoje, resolvi quebrar alguns tijolos.

Ana Frantz


Friday, 8 May 2009




E penso que os livros são bons para a saúde, e também para o espírito, e que nos levam a ser poetas ou a ser cientistas, a entender de estrelas ou encontrá-las no interior da vontade de certas personagens, essas que às vezes, algumas tardes, se escapam das páginas e vão passear entre os humanos, talvez mais humanas elas. Jose Saramago

Thursday, 7 May 2009




ffff
fff
fff
ggggggggggggggggggggg

jjjjjjjjj

kkkkkkkkkk

kkkkkkkkkk







E sempre dificil dizer, quando deixamos de amar alguem, e sempre complicado adimitir para nos mesmos, e para quem agora abandonamos pelo caminho, que todo aquele amor, se transformou em algo que ainda nao sabemos definir. Perder doi. Nao queremos perder. Ate mesmo largar o que nao se quer mais pode ser um sacrificio extremo.


Ha quem nao se apegue em nada ou coisa alguma. Ha os que mascaram os sentimentos, outros se escondem em noitadas. Tem sempre aqueles que nao pedem desculpas por nada nesse mundo. Os que choram demais e por qualquer coisinha. Tem tambem os doces demais, romanticos demais, sensiveis demais, pegajosos demais. Tem sempre gosto pra tudo, como diz o velho ditado, mas uma coisa e certa, ninguem quer perder.

Como ja nao sou mais nenhuma menininha a ponto de acreditar em historias de amor eterno e os contos de fadas ha tempos sairam da minha estante de livros, fico aqui declamando em silencio o que Vinicios de Moraes, declamou um dia, sabe la para quem, sabe la por que. "Eu possa me dizer do amor (que tive):Que não seja imortal, posto que é chama Mas que seja infinito enquanto dure." E penso aqui com meus brochinhos, que e isso mesmo, nao importam as perdas, o que mais importa e o eco dos risos que ficaram, sao as velhas fotografias, e a receita que ele ou ela lhe ensinou, e o que ficou de bom, sao as paisagens divididas, os sonhos, as frases soltas que ficaram impregnadas em nos.


E sabemos ja pela vida que um dia acaba, pelo verao que se transforma em outono, pela noite que da vazao para o dia, que tudo muda o tempo todo, tudo sempre se recria. Entao porque nao aceitarmos tambem com mais leveza, que amigos vem e vao, que amores sao como andorinhas de verao, que as relacoes humanas, tambem estao a merce desse vasto universo, em constante mutacao. Nada e estatico, e se fosse, morreriamos de tedio.

Perder sempre doi demais em mim, nao quero deixar nada sair do controle de minhas asas, tenho extrema dificuldade de me desfazer de coisas que nao uso mais, guardo qualquer bilhetinho, qualquer porcaria, fotografo os segundos, quero sempre congelar o tempo, as coisas e os sentimentos. Mas sabemos que isso so adia o ingresso aos saltos maiores. Portanto eu decidi abrir as janelas e as portas da minha alma, para deixar sair toda a poeira, tudo que e pedrinha boba, vou guardar so o que me faz bem, so o que ainda preciso para ser mais eu. E verdade o que dizem por ai; um dia a gente simplesmente acorda para a vida!

Ana Frantz

Friday, 1 May 2009


Do Dia



Entao sei la. A vida se reinventa e uma manha que nasce com o sol, vai se derretendo, e flui em som e lirica. Em passos, esquinas, a bicicleta que cruza a rua, a padaria que abre a vitrine. A vida se reinventa a cada dia, mas, as vezes, o dia simplesmente acorda com mais poesia. O dia acorda com mais fome da vida. Quer devorar sua essencia, seu corpo, sua alma. Em dias assim, minhas asas se expandem para o universo, e sou capaz de cometer a tremenda obcenidade de acreditar que tudo e possivel.


Dias assim me enchem de calma. Dias assim me dao mais alma.

A.F

Livros que me acompanham em 2009

  • Notes from my travels- Angelina Jolie
  • THE SHAMANIC WAY OF THE HEART - Chamalu- Luis Espinoza
  • Shooting Butterflies - Marika Cobbold
  • The Global Deal - Climate change and the creation of a new era of progress and prosperity- Nicholas Stern
  • The Penelopiad- Margaret Atwood
  • Discover Atlantis - Diana Cooper
  • Tne Gift - How the creative spirit transform the World - Lewis Hyde
  • My East End: A history of Cockney London- Gilda O'Neil
  • Delta of Venus- Anais Ninn
  • The Little Prince- Antoine de Saint Exupéry *** Apr
  • Doidas e Santas- Martha Medeiros (March)
  • The English Patient by Michael Ondaatje
  • Gilead by Marilynne Robinson - Feb
  • Healing With the Faries by Doreen Virtue (Feb)
  • Montanha Russa- Martha Medeiros (Feb)
  • O codigo da Inteligencia - Augusto Curry - Feb
  • O Ensaio sobre a cegueira - Jose Saramago ( Jan Lendo)

Livros que andaram comigo em 2008

  • Meditacao a primeira e ultima Liberdade by OSHO ( Dec)
  • The English Patient by Michael Ondaatje (Dec Lendo)
  • Harry Potter and the Philosopher's Stone - J.K Rowling (Oct Lendo)
  • The PowerBook - Janette Wintersone (Oct- )
  • A vida que ninguem ve- Eliane Brum (Sep - Lendo)
  • The Birthday Party - Panos Karnezis - (Sep )
  • Ensaio sobre a Lucidez -Jose Saramago (Lendo...)JUN
  • Nearer The Moon -Anais Ninn (Lendo..) JUN
  • Superando o carcere da emocao - Augusto Cury(lendo...) JUN
  • Perdas e Ganhos- Lya Luft Jun(Releitura) Jun
  • A Mulher que escreveu a Biblia - Moacyr Scliar(May) ****
  • The Secret By Rhonda Byrne (May)
  • Time Bites -Doriss Lessing March (lendo...)
  • Life of Pi - Yann Martel (March to May )
  • The Kite Runner -Khaled Hossein /March ****
  • Back when we were geown ups / ANNE TYLER (larguei na metade)
  • O Sonho mais doce - DORIS LESSING /Feb ****
  • The Crimson Petal and the White- MICHAEL FABER / Dec-Jan / ***

Livros que me acompanharam em 2007

  • Burning Bright - TRACY CAVILER
  • Fear of flying - ERICA JOUNG (larguei na 50th pagina)
  • I'll take you there - JOYCE CAROL OATES ***
  • Memorias de minhas putas trsites GABRIEL GARCIA MARQUEZ ***
  • The Siege - HELEN DUNMORE ***
  • A girl with a pearl earing - TRACY CHAVILER ***
  • A year in Province PETER MYLES ( larguei na metade)
  • The mark of the angel- NANCY HUSTON-
  • A bruxa de portobelo - PAULO COELHO -
  • Under the Tuscany Sun - FRANCES MAYA -
  • Sophie's World - JOSTEIN GAARDER *
  • The umberable lightness of being - KUNDERA- **
  • As aventuras da menina ma MARIO VARGAS LOSA - ****

Followers

Nas entrelinhas

About Me

Lua

CURRENT MOON
p>

FEEDJIT Live Traffic Feed